Um Haiku de Bashō

両の手に        (りやうのて に)

桃と桜や        (もとさくらや)

草の餅            (くさのもち)

ryo no te ni

momo to sakura ya

kusa no mochi

Bashō – anno 1692

tradução livre:

nas mãos, duas flores

pessegueira e cerejeira –

bolo de artemísia

transcriação:

na mão ter a dois

flores de cereja e pêssego

bolo de arroz

tradução livre e transcriação :

Caio Leonardo – 27.12.2017.

Nota à tradução:

Joaquim M. Palma*, na edição da obra completa de Matsuo Bashō que organizou e traduziu pela Assírio & Alvim, nomeada “O Eremita Viajante”, anota que Bashō refere-se, no primeiro verso, a uma fala de teatro Nô: “ryo no te ni hana” – ter duas flores nas mãos – que significa coisa boa, “uma vantagem”. Bashō fala da alegria de comer um “kusa no mochi”, um bolo de arroz feito com artemísia, típico da primavera. Compara essa alegria a ter as tais “duas flores nas mãos”, que também parece ter conotação erótica.

Na transcriação, busquei recuperar o ritmo do haiku e suas rimas. Há uma rima interna nas terceiras sílabas: no/to/no; que replico em ter/de/de. O acento no “de” do terceiro verso fica evidente, porque, não sendo ele “tônico”, o verso ficaria com quatro sílabas, não com as cinco canônicas do haiku (5/7/5).

Para o lugar de “pessegueiro” e cerejeira, por métrica e ritmo, preferi a metonímia com no nome da fruta:

_ _ _ sa/ku/ra/ya”

segue o mesmo ritmo e métrica de

_ _ _ ce/re/ja e/pê*

O kigo está na cerejeira, que indica primavera. Perde-se a redundância do kigo que há na referência ao bolo de artemísia, também típico da estação. Porém, a escolha por “arroz”, ingrediente típico do mochi, o bolinho a que Bashō se refere, vem permitir replicar a rima do primeiro verso com o último.

Em Bashō, a rima é:

_ _ _ te ni

_ _ _ _ _ _ _

_ _ _ mochi

Na transcriação, fica:

_ _ _ a dois

_ _ _ _ _ _ _

_ _ _ arroz

Com aquele “a dois”, recupero ainda o erotismo implícito na expressão citada por Bashō.

As rimas internas impuseram maior desafio e um sacrilégio:

ryo no _ _

momo to _ _ _ _

kusa no _ _

na mão ter _ _

flores de _ _ _ _

bolo de _ _

O sacrilégio está em jogar uma tônica no “de” do terceiro verso, sem o que ele ficaria com apenas quatro sílabas.

*Palma traduziu assim este mesmo haiku:

Bolo de arroz

nas duas mãos –

flores de pessegueiro e ameixieira

**Na métrica portuguesa, não se contam as sílabas após a última tônica.

Categorias:Breves & Semibreves

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s