Canção do Levante

Caboclo que sessas sob o sol,
Já se vão desoras
de mancornar
os que alcunham de mandriões
os esportulários antes trambecados
por veredas hoje descangadas.

Olha as almas que tranam o rubicão da bonança
tangidas pelo aracati benfazejo
que bafeja
este albor de século.

Motejam o teu mourejar.
Rezingam o roborar do teu costado.
Lobrigam no breu da bem-aventurança,
apeançados com teu novo vigor.

Joeira pela urupema
o jaspe,
sessado e lustrado,
que ornará neste lustro
os altares deste bom povo,
lombilhado,
lonqueado.

Joeira pela urupema
o que te enfronda
e confronta o sandejar
dos da ribalta.
Que alto é o teu horizonte,
para além das pretermitências
que assombram o dia santo.

Joeira pela urupema
o sal da terra,
e deixa esvair-se
o esgar provecto
que aqui já não tem tempo,
nem lugar.

 

Caio Leonardo

21.10.2014

 

 

Leitura de Canção do Levante pelo autor:

Categorias:Poesia

Tagged as: , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s