Outra Praia

Tarde fria de inverno

de tempo fechado,

de garoa mansa,

do marulho surdo, o mar quebrando,

do pé na areia,

do olhar no horizonte,

de sentar no chão com a malha grossa,

a bainha da malha molhada

e cheia de areia.

Tarde fria de inverno,

de sentir o maral no rosto serenado

de balançar o corpo, vaivém de mantra

Da melancolia da visão dos canais ao longe,

José Menino,

Três,

Embaré…

Da prancha que chega à areia sozinha,

o garoto lutando contra o frio

e contra as volutas inquietas do mar

(quer pegá-la de volta, tentar de novo,

até que uma vaca desabe

sobre sua cabeça morena.)

Dos contentores da Maersk,

desfilando solenes e misteriosos na barra;

da bola que passa

com três outros correndo atrás,

aos gritos –

o silêncio rumoroso da queda da tarde,

lenta e ensimesmada,

como olhos que se fecham em resignação.

Como estes meus olhos,

que se fecham em resignação.

Caio Leonardo

Categorias:Breves & Semibreves

1 reply »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s