Breve e Necessário Passeio pelos Parques da Cidade

Ter apenas um assunto,

e esse assunto ser variações

em agressões a uma pessoa,

revela uma vida triste e encerrada,

consumida pelas próprias frustrações transferidas na forma de ódio àquele objeto – àquele ser humano tornado objeto

pelo ressentimento e

pelo vazio existencial

a que se resume o que sobra de vida

àquele que tem apenas um assunto.

Liberte-se da dor de ser quem você se tornou.

Não peço que mude de ideia,

mas que mude de assunto.

Abra outras caixinhas do universo.

Descubra o padre que descobriu o Tibet

(sim, isso aconteceu),

megulhe

em mapas de lugares imaginários,

passeie

pelo Pantanal de Manoel de Barros,

cavalgue com o verdadeiro Genghis Khan,

o autor da modernidade,

penetre

na leveza sublime dos versos de Rumi,

mergulhe

no sono, ouvindo Roberta Flack –

“The First Time Ever I Saw Your Face”,

corra

9Km num parque que não conhece

e repare nas árvores.

Leia A Vida Secreta das Árvores,

e A Vida Íntima dos Animais.

Traga

para casa frutas e legumes

que nunca provou.

Entre

no zoológico na volta do almoço,

e avise

seus sócios de que vai se atrasar:

__ Estou em reunião com um unicórnio chinês. Ainda é segredo.

E, então, estenda o braço e sorria

para a Girafa:

Ela perdeu o parceiro ano passado.

caio leonardo, 11 de fevereiro de

2019

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s