O Verão de Empédocles

the-four-elements-1472-grangerNão se completou uma lua sequer. Em 25 de janeiro, ela minguava pelo quarto dia, e a terra varreu Brumadinho. A lua então veio de ser nova, ainda nem era crescente, quando desceu a água e subiu o fogo sobre o Rio de Janeiro. Amanhã, a lua alcançará o quarto crescente, mas, antes disso, hoje a tragédia caiu do ar, em São Paulo. Fecha-se um ciclo trágico dos quatro elementos imutáveis da natureza: a terra, a água, o fogo e o ar.

Empédocles (490-430aC) é que concebeu a natureza assim, e ele entendia que esses quatro elementos não se moviam por si, mas pela oposição de duas forças: Amor e Ódio. O equilíbrio entre elas é que permite que a vida siga em harmonia, e isto vale também para a vida em sociedade.

Há Ódio demais circulando por este país. Mais Amor, por favor. A lunação atual só se fecha daqui a oito dias. Mais amor, por favor. Se não for por filosofia, ame por superstição. Mais amor, por favor.

_____

Ilustração: Toalha de praia

Breve e Necessário Passeio pelos Parques da Cidade

Ter apenas um assunto,

e esse assunto ser variações

em agressões a uma pessoa,

revela uma vida triste e encerrada,

consumida pelas próprias frustrações transferidas na forma de ódio àquele objeto – àquele ser humano tornado objeto

pelo ressentimento e

pelo vazio existencial

a que se resume o que sobra de vida

àquele que tem apenas um assunto.

Liberte-se da dor de ser quem você se tornou.

Não peço que mude de ideia,

mas que mude de assunto.

Abra outras caixinhas do universo.

Descubra o padre que descobriu o Tibet

(sim, isso aconteceu),

megulhe

em mapas de lugares imaginários,

passeie

pelo Pantanal de Manoel de Barros,

cavalgue com o verdadeiro Genghis Khan,

o autor da modernidade,

penetre

na leveza sublime dos versos de Rumi,

mergulhe

no sono, ouvindo Roberta Flack –

“The First Time Ever I Saw Your Face”,

corra

9Km num parque que não conhece

e repare nas árvores.

Leia A Vida Secreta das Árvores,

e A Vida Íntima dos Animais.

Traga

para casa frutas e legumes

que nunca provou.

Entre

no zoológico na volta do almoço,

e avise

seus sócios de que vai se atrasar:

__ Estou em reunião com um unicórnio chinês. Ainda é segredo.

E, então, estenda o braço e sorria

para a Girafa:

Ela perdeu o parceiro ano passado.

caio leonardo, 11 de fevereiro de

2019

Para que vivemos juntos?

É preciso ser absolutamente moderno, disse Rimbaud. Ninguém é moderno todo o tempo, respondeu Adorno, décadas depois. Os processos, os rumos, os encaminhamentos é que indicam se alguém, um grupo, uma sociedade, um governo, uma geração, um século, uma Era – se conduz com reflexão sobre para onde vai, vão, vamos, estão indo.

Os processos, os rumos, os encaminhamentos que se veem hoje são conduzidos por certezas demais, certezas que haviam sido abandonadas pela reflexão.

A reflexão, ao que parece, foi ela mesma abandonada para dar lugar a certezas. Estamos abandonando a modernidade – cuja natureza é reflexiva, para Giddens.

Os processos, os rumos, os encaminhamentos preponderantes na nossa atualidade movem-se pela noção de que tudo estava errado no caminho que vinha sendo trilhado para mudar o que estava errado.

As certezas atuais que decorrem dessa noção vêm sendo tais que reforçam exatamente tudo o que gerou e alimentava aquilo que estava errado.

São certezas que alimentam a violência; são certezas que aumentam a desigualdade, são certezas que, no entanto, trazem algo de novo e que nos leva para um caminho que nunca antes traçamos: As certezas preponderantes de 2019 constróem uma sociedade não apenas desigual, porque isso sempre foi, mas, sim, uma sociedade abertamente, convencidamente, orgulhosamente, franca, sarcástica, mordaz e apaixonadamente cruel.

Ou fazemos uma reflexão sobre essa crueldade – não para justificá-la, porque certezas não pedem justificativa, mas sim para superá-la -, ou a razão de vivermos como sociedade, como nação, estará perdida.